terça-feira, janeiro 24, 2006

CONVOCATÓRIA NACIONAL


A um regime que insiste recordar e homenagear os mortos de outras nações e/ou os mortos de guerras alheias mas, ao mesmo tempo, esquece os mortos da própria nação, chamamos, com toda a propriedade, de regime anti-nacional!

Desde 1990 foram assassinados mais de 360 portugueses na África do Sul, a grande maioria dos quais em condições verdadeiramente bárbaras e cruéis. No entanto, desconhece-se qualquer acto oficial do Estado Português em memória dessas centenas de filhos da Pátria. Muito menos se conhece qualquer iniciativa relevante no sentido de tentar minimizar a tragédia que vive a Comunidade Portuguesa naquele país. Aliás, altos responsáveis do Estado, tais como o sr. Jorge Sampaio, tudo têm feito para silenciar aqueles que, como o Padre Gabriel, têm tentado, em vão, denunciar o genocídio.

Já que o Estado "português" não cumpre o seu dever, os nacionalistas vão tomar a iniciativa de recordar e homenagear os portugueses que, desde 1990, têm sido assassinados na África do Sul. Por isso, a Juventude Nacionalista convoca todos os seus militantes -- e demais jovens conscientes deste país -- para a marcha que irá decorrer em Lisboa, no dia 28 de Janeiro, em local e hora a anunciar brevemente.

A Direcção Nacional da Juventude Nacionalista
10 de Janeiro de 2005

4 Comments:

Anonymous rolãopreto escreveu...
Agora não percebo, então os camaradas nacionalistas sul-africanos não têm direito a defender o seu nacionalismo contra a invasão dos imigrantes estrangeiros?
24/1/06 23:26  
Blogger Vitor Manuel escreveu...
Têm todo o direito. Mas nós não defendemos que o controle da imigração seja feito através da pena de morte.
24/1/06 23:58  
Anonymous rolãopreto escreveu...
Mas teremos o direito de lhes dizer o que eles devem fazer na sua terra? na sua nação, sendo nós nacionalistas e aceitando que cá só nós mandamos. E se nos começam a criticar por dar umas bordoadas nos cabo-verdianos e até mandar um ou outro para o galheiro? Ou é apenas uma questão de número? até dez, cem, tudo bem, mais já parece mal?
25/1/06 19:36  
Blogger Vitor Manuel escreveu...
De facto não temos o direito de mandar no país dos outros.
Mas temos o direito de reclamar, quando um governo nada faz para proteger os nossos conterrâneos.
O recurso á violência a não ser em legitima defesa é sempre condenável.
25/1/06 22:57  

Enviar um comentário

<< Inicio