segunda-feira, janeiro 09, 2006

Criminalidade violenta

O militar da GNR baleado ontem à noite em Estarreja e que foi hospitalizado em Coimbra com um projéctil alojado na coluna encontra-se fora de perigo. Um segundo militar apresentava uma ferida perfurante no braço esquerdo, pelo que depois de ter sido trado recebeu alta.
A criminalidade violenta está a aumentar na zona centro. Noticias como esta e outras que têm vindo a lume, não faziam parte do nosso quotidiano.
As polícias mal equipadas e preparadas não conseguem fazer frente a este tipo de criminosos, por outro lado, andam desiludidos com a justiça que teima em não actuar quando é feita alguma detenção, não por culpa dos juízes mas por força da Lei que os limita. Impõe-se uma revisão realista do Código Penal que, sem desrespeitar os Direitos do Homem, respeite os direitos fundamentais dos cidadãos pacíficos e cumpridores. Estes têm que se sobrepor forçosamente a qualquer tipo de direitos dos criminosos. Os comandos reféns das boas informações necessárias para serem promovidos, fazem muitas vezes panelinha com o sistema. O poder político, mete a cabeça no buraco, ou fazendo só uma análise quantitativa das estatísticas, anuncia progressos na luta contra o crime, tentando branquear aquilo que salta à vista de todos nós.
A melhoria da Segurança, em todos os seus aspectos, não passa apenas pelo aumento do número dos agentes em serviço nas Forças Policiais, passa, antes de mais, pelas condições que lhes sejam dadas para o exercício das suas missões e por uma adequação das penas à gravidade dos crimes. Ou seja, o Código Penal, no seu todo, terá de ser uma força dissuasora da criminalidade.