terça-feira, janeiro 24, 2006

Palavras de ontem

Achei umas reflexões, dos idos de 1976, em que o camarada engenheiro devia estar a pensar enquanto visitava esta humilde casa. Aqui vão elas.
***
Se te manténs fiel aos princípios nacional-revolucionários, se te guias por normas baseadas na Justiça e na Verdade, verás como alguns te chamarão "reaccionário" e outros "exaltado" e "revolucionário". Umas vezes "fascista'" e outras "comunista". Esses, uns e outros, guiam-se por medidas muito diferentes do padrão nacionalista. Louvar-nos-ão ou insultar-nos-ão conforme algumas dos nossas teses coincidirem com algumas das suas.
***
Um inimigo de hoje pode ser um camarada de amanhã. Um amigo de hoje pode ser um inimigo de amanhã. Pessoas que hoje combatemos podem ser perfeitamente nossos camaradas num amanhã não muito longínquo. Isso não significará de modo algum que nos tenhamos "vendido". Simplesmente se deve a que nós não combatemos nem odiamos pessoas, mas apenas combatemos as ideias que elas representam ou defendem, quando as consideramos nocivas para o fim que perseguimos.
***
Há camaradas que continuam a não nos entender. Talvez porque "não há pior surdo do que aquele que não quer ouvir". Não pretendemos que todos os Nacionalistas sejam iguais a nós. O nível de exigência, disciplina e seriedade que impomos a nós próprios não pode ser adoptado por toda a gente sem riscos de colapso. No entanto, o que tão pouco podem pretender esses camaradas é desqualificar-nos a nós, rotulando-nos de "puros" ou "místicos".
***
Há camaradas e ex-camaradas que não têm fé na nossa doutrina porque a sua falta de conhecimentos e a sua pouca habilidade para o debate ideológico os fazem acreditar na fraqueza dos nossos princípios. Se por acaso tu também cais nesse lugar comum de que a doutrina Nacionalista é algo “desfasado” ou muito incompleto, antes de o dizeres, sobretudo se for em público, tem a precaução de fazer um prévio reconhecimento ao cérebro e aos reflexos.
***
(in Combate)
Achei por bem pilhar este texto pois tudo o que está escrito nele não podia ser mais actual.