segunda-feira, janeiro 16, 2006

PREC I


Muito se tem escrito sobre este período conturbado da nossa história.
Alguns amigos e simpatizantes da causa nacionalista, já muitas vezes me incentivaram a por no blogue alguns episódios que lhes costumo contar.
Hoje arranjei coragem para lhes fazer a vontade.
Naquele tempo o PCP (partido das amplas liberdades) controlava a cidade de Coimbra.
Para o efeito efectuavam patrulhamentos motorizados na cidade e arredores, a que não faltavam as transmissões (gentilmente cedidas pelo MFA) e mesmo um piquete de prontidão na Sede.
O primeiro episodio protagonizado pelos comunistas a que assisti passou-se nas ruas da baixa de Coimbra.
Na altura estudava na Escola Técnica Sidónio País, (hoje Jaime Cortesão) e era costume a malta ir dar umas passetas na Ferreira Borges.
Hora um belo dia acerca-se de nós um fulano (que mais tarde fiquei a saber era membro do PCP) e diz-nos:“ aquele individuo que vai ali á frente era da PIDE/DGS”, repara-mos então que o homem já era seguido por um grande numero de gente, sendo que alguns dos seguidores se encarregavam de juntar mais pessoas ao grupo, aventando-se já a possibilidade de se fazer “justiça popular”.
A curiosidade própria da nossa idade levou-nos a juntar à pequena multidão que se formou.
O visado sem se aperceber de nada lá foi rua abaixo, acabando por entrar no Café Sofia.
Cá fora, o ódio entretanto habilmente espalhado pelos comunas crescia no meio da populaça. Havia até quem já jurasse a pés juntos que “aquele tinha sido o PIDE que o tinha torturado”.
Alguém ligado ao café apercebendo-se do sucedido, aproximou-se do grupo e depois de esclarecido sobre tamanha agitação, acabou de provar que a pessoa em questão nada tinha a ver com a organização em causa, uma vez que era emigrante em França a passar na altura as suas merecidas férias. Reparei então que os acusadores os responsáveis por toda aquela agitação se retiravam de mansinho, deixando a batata quente para os outros.
Esta pratica era muito comum entre os comunistas, já antes do 25 de Abril quando conseguiam juntar meia dúzia de estudantes e faziam uma manifestação, começavam-na á frente, depois das palavras de ordem estarem decoradas e com a aproximação da policia iam ficando para trás, até que desapareciam.
Valeu neste dia aquele cidadão uma pessoa que o conhecia, caso contrário teria sido vitima das sevicias “populares” como aconteceu a muitos outros.

5 Comments:

Anonymous Anónimo escreveu...
Infelizmente os pc´s no pos 25 de abril sempre se portaram de uma forma cobarde. Para ja nem falar da conduta pouco (ou mesmo contra) revolucionaria desses especimes. Se tal não tem acontecido provavelmente hoje viveriamos numa cidade universitaria moderna: Sem capistas nem fascistas como tu!
Morte À praxe e aos fachos. Viva o Anarco sindicalismo
16/1/06 19:42  
Anonymous Anónimo escreveu...
Pois é, quero ver agora como vão reagir os militantes do PNR e até mesmo desse grupo de nome FN, quando o sr. mário machado diz que "a Fn é a espada em cima da cabeça do PNR", que trabalhou num bar de strip (uma profissão muito NS), cujo o dono está agora preso por, entre outras acusações, trazer putas imigrantes para portugal, e agora que atacou e insultou membros do PNR, entre eles o Filipe da JN? Quero ver se têm coragem de dizer basta ao egomaniaco e de o deixarem de vez com os seus delirios de vedeta televisiva, que só prejudicam o partido e a causa nacionalista.

Onde está a coragem de cortar com gente assim? será que os nacionalistas a têm?
16/1/06 20:52  
Blogger Rodrigo Nunes escreveu...
Excelente relato Vitor, retrato da baixa manipulação esquerdista.
16/1/06 20:54  
Blogger Vitor Manuel escreveu...
Os elementos do Partido Comunista eram muitas vezes ajudados pela FEC ML ( que deu origem á UDP) pelos anarquistas. Portanto essa corja também não está isenta de culpas.
16/1/06 22:36  
Blogger M escreveu...
Pois é, quero ver agora como vão reagir os militantes do PNR e até mesmo desse grupo de nome FN, quando o sr. mário machado diz que "a Fn é a espada em cima da cabeça do PNR"

Pois claro que é! Não tenha dúvidas. basta olhar para as manifestações do ano passado. Quem as fez? A Frente Nacional. Sendo que uma delas foi oferecida pela F.N. ao Partido.


que trabalhou num bar de strip (uma profissão muito NS)

Trabalhou como porteiro de um estabelecimento nocturno legal. Agora há profissões mais nazis que outras? Será que um varredor de rua é necessáriamente menos esforçado na sua ideologia quando comparado com um advogado, ou um médico, apenas e exclusivamente pelas diferenças laborais?


cujo o dono está agora preso por, entre outras acusações, trazer putas imigrantes para portugal,

Se o meu patrão comete determinados crimes, terei eu de ser culpabilizado pelas mesmas?


e agora que atacou e insultou membros do PNR, entre eles o Filipe da JN?

Para mim é perfeitamente normal este tipo de trocas de mimos, afinal de contas, isto é uma (suposta) democracia. E se analisar a situação em vez de pura e simplesmente mandar "postas de pescada", verá que o citado Mário Machado, tem uma grande dose de razão no que diz e do que acusou. É extremamente ingrato um grupo ter trabalho a preparar uma actividade de larga escala, para depois um outro grupo que em nada ajudou/participou tentar apoderar-se do trabalho realizado.


Quero ver se têm coragem de dizer basta ao egomaniaco

Não há necessidade de dizer esse "basta". Não se trata de nenhum egomaníaco, antes pelo contrário, é uma pessoa extremamente benevolente para com os seus (afinal de contas, "quem não está comigo, está contra mim"), e eu digo isto por experiência pessoal (coisa que duvido que o senhor anónimo tenha tido para opinar seja o que for...).


e de o deixarem de vez com os seus delirios de vedeta televisiva, que só prejudicam o partido e a causa nacionalista. Onde está a coragem de cortar com gente assim? será que os nacionalistas a têm?

Vê-se que só prejudica o Partido. Aliás, não fosse a Frente Nacional, e onde estaria o Partido agora? Não é preciso muito, basta voltar ano e meio atrás.
16/1/06 23:02  

Enviar um comentário

<< Inicio