segunda-feira, janeiro 23, 2006

Textos PNR

Homofobia na Europa: mais um dogma!

Domingo, 22 Janeiro 2006

Há dias atrás, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução - Resolução do Parlamento Europeu sobre a homofobia na Europa - que brevemente será Lei na generalidade das Nações europeias.
É particularmente grave a força do lóbi gay que está profundamente enraizado nas esferas da decisão e da governação das Nações europeias e dos órgãos de comunicação social.
Como se poderá constatar com a leitura desse documento, a capacidade de deturpar e forjar as realidades, levada a cabo por uma minoria anormal e demente é um perigo real para o futuro da civilização europeia, atando cada vez mais, de mãos e pés, as consciências dos povos europeus.
Estes governantes - campeões da democracia, da tolerância, da liberdade de expressão e de pensamento - vão gradualmente deixando cair o seu manto e o seu verniz da hipocrisia e revelando com crueza o verdadeiro totalitarismo do seu pensamento único. São verdadeiras fábricas de tabus! Fábricas de dogmas!
Perseguem criminalmente quem ouse pronunciar-se ou simplesmente questionar os seus dogmas, que constituem já uma pequena lista de rótulos, utilizados de forma leviana e grosseira, para poderem aplicá-los criminalmente a quem os incomodar e se mostrar inconformado com este degradante estado de coisas.
É assim que, agora se junta aos dogmas do “racismo”, “xenofobia”, “anti-semitismo”, “fascismo”, etc., um novo dogma: a “homofobia”.
Protegidos por este rótulo, os promotores da anormalidade, da aniquilação dos valores e da destruição da dignidade humana (lóbi gay, extrema-esquerda e parte da esquerda dita responsável), terão assim a faca e o queijo na mão para perseguirem e/ou ostracisarem os defensores da normalidade, dos valores e do ser humano. Esta perseguição tomará contornos penais, além de continuar com o “saneamento” das pessoas normais nos empregos e centros de decisão, em benefício dos autodenominados LGBT.
Nesta caminhada da destruição, a esquerda tem contado sempre com a conivência da direita mole e subserviente. Mas aos Nacionalistas jamais calarão, porque a nós ninguém nos cala! Nós não temos medo do politicamente correcto!
Pelo contrário! Mais e mais, apelamos à revolta das consciências e à libertação deste jugo estupidificante e intoxicador das mentes.
O “delicioso” documento que dá corpo à Resolução do Parlamento Europeu, entre outras tantas “pérolas”, brinda-nos com mimos do estilo: “Considerando que a homofobia pode ser definida como um receio irracional e uma aversão relativamente à homossexualidade e às pessoas do grupo LGBT(...)”.
Ou seja, utilizam sempre a técnica da minimização intelectual daqueles que se opõe às suas ideologias perversas, revelando assim, que os campeões da tolerância são da mais radical intolerância. Algo que para nós não é novidade...
Mais: a União Europeia considera que recentemente, ocorreram uma série de acontecimentos “preocupantes” nalguns “estados-membros”, entre os quais, manifestações de grupos “homófobos”... Ou seja, a nossa manifestação do passado dia 17 de Setembro contra o lóbi gay, tocou-lhe em cheio na ferida!
Vão ainda mais longe na sua mentira paranóica, referindo a “(...) reacção positiva, democrática e tolerante que nalguns casos emanou da própria população (...)”.
Querem-nos fazer crer à força de propaganda e manipulação, que a maioria das pessoas – positivas e tolerantes – concordam com os seus ideais absurdos, em oposição aos grupos “homófobos” – irracionais e violentos – que constituem alvo a abater...
Exorta assim – esta resolução – os “estados-membros” e a Comissão a condenarem firmemente a linguagem de “ódio homófobo”, instando à aplicação de sanções penais. Realçamos por último, que se insta os “estados-membros” a acelerarem a luta contra a homofobia, também através de meios “pedagógicos”, como campanhas (pagas com o nosso dinheiro!) nas escolas e na comunicação social, para fazerem a lavagem ao cérebro das crianças, jovens e adultos.
Quer isto dizer, que a partir da data em que esta resolução passe a vigorar como lei, as pessoas ou grupos que se insurgirem, por exemplo contra as situações anti-natura, tais como o “casamento” de homossexuais ou a adopção de crianças por esses “casais”, estará assim a incorrer em discriminação contra as pessoas LGBT (denominação esta, que já por si é um contra-senso, pois trata-se de uma auto-descriminação) e ódio homófobo, indo acabar na barra do tribunal.
É esse o futuro que queremos?
Pois nós, Nacionalistas do PNR, que nos opomos ao federalismo europeu e à ditadura de Bruxelas, lutaremos sempre para que em Portugal, mandem apenas os Portugueses! Apelamos assim à revolta das consciências contra este sistema da destruição nacional. Tal lei em Portugal, não passará pelo nosso silêncio!
A nós, não nos calam!
PNR

3 Comments:

Anonymous ernesto roehm escreveu...
Pensava que todos os camaradas nacionalistas, defensores da pureza e beleza rácica do ideal celta/ariano, ficássemos contentes com a criação de uma lei contra a discriminação homofóbica.
24/1/06 23:45  
Blogger Vitor Manuel escreveu...
Pois pensava mal.
25/1/06 13:23  
Anonymous ernesto roehm escreveu...
vejo então que alguns gostamos de ser discriminados.

Adeptos de práticas Sado-Maso, talvez.

Bom, têm todo o direito...
25/1/06 19:28  

Enviar um comentário

<< Inicio