terça-feira, fevereiro 28, 2006

DO PRESIDENTE, AOS NACIONALISTAS.


O Presente e o Futuro da Nação estão entregues a partidos iníquos, traidores, irresponsáveis e tíbios. De “mal menor” em “mal menor”, encontramo-nos hoje num imenso oceano de mal. O Sistema inimigo – esquerda destruidora e direita cúmplice – não param de fazer estragos e de minar o terreno.

A cada dia que passa, a Pátria é aviltada, saqueada e desfigurada por leis suicidas, por politiqueiros carreiristas, por partidos e lóbis que nos roubam o futuro enquanto Nação!

A grande alternativa a este estado de coisas, passa pelo esforço de um sério reforço daquele Projecto que se identifica com a Nação Portuguesa: o PNR!
Ele é o meio privilegiado para que alcancemos o nosso Sonho colectivo: devolver Portugal aos Portugueses!

Para isso, a luta exige que saibamos estar unidos e centrados nesse objectivo.
A hora é pois, de unidade! Se não de unidade entre todos os Nacionalistas – tendências e grupos – que seja, pelo menos, ao PNR.
E que seja efectiva e eficaz!

Aqueles que, escudados por mil desculpas, olharem primeiramente para o acessório, para o secundário e para o pessoal estarão a permitir e a ajudar a que nos roubem o Sonho.
Esses que, por comodismo, egoísmo ou cepticismo; que por disparate, disputa ou discórdia; que por sentença, descrença ou desavença, não quiserem nem souberem viver o Romantismo do resgate Nacional – na escolha, connosco, da Aventura e Incerteza de vidas, mas da certeza do dever cumprido e da consciência límpida - só poderão mais tarde lamentar (na derrota ou na Vitória) essa sua opção. Esses só terão um dia que se queixar de si próprios.

Portugal precisa do PNR e o PNR precisa de todos os Nacionalistas!
A escolha pertence, pois, a cada um de nós…
José Pinto-Coelho | Fev. 2006

Co-incineração avança



Souselas e Outão continuam a ser as cimenteiras preferidas pelo ministro do Ambiente para a co-incineração. Na próxima sexta-feira, no Porto, o Governo vai apresentar o estudo final sobre a matéria, elaborado pela Comissão Científica Independente.
Parece que o Sr. Eng. Sócrates se prepara para implementar esta sua promessa eleitoral, e que pelos vistos será filha única, já que as outras porque não soube ou porque não quis estão nas gavetas dos ministérios.
A comunidade científica coimbrã já começa a manifestar o seu descontentamento. Sobretudo porque mais uma vez os políticos do sistema passam a vida a falar de democracia, mas quando se trata de levar a cabo algum projecto, as populações locais não são oscultadas, e se porventura manifestam opinião contraria ao projecto a sua opinião não é levada em conta, a não ser se no caminho da obra esteja algum interesse de um companheiro de partido. De resto a avaliar pelas declarações de Matilde Sousa Franco, cabeça de lista do PS por Coimbra às últimas eleições legislativas, tudo leva a crer que os dirigentes do distrito afectos a este partido vão alinhar nas posições do governo.
A co-incineração é uma técnica “retrógrada, arcaica e é contrária àquilo que deve ser uma boa política de gestão de resíduos industriais perigosos”.
O estudo Saúde Centro 2005 – que teve como objectivo avaliar o estado de saúde na região e que foi realizado na sequência dos protestos da população contra a instalação da co-incineração nas cimenteiras – concluiu que existe uma maior prevalência de certas doenças, todas relacionadas com factores ambientais, em Souselas e Maceira.
Qual é a obrigação do Governo? É não agravar o sofrimento ou estado de Saúde das populações e encontrar uma solução?
O Governo está no pleno direito de decidir queimar os resíduos industriais perigosos e provavelmente deve queimar aqueles para os quais não existem outras alternativas. No entanto, é preciso saber onde vai ser feita a queima desses resíduos e se é mesmo seguro fazê-lo em unidades inseridas em zonas populacionais, em cima das pessoas,
Seja qual for a decisão que venha ser tornada pública na próxima a sexta-feira, não será novidade. Porque a decisão já está tomada há muito tempo. Isto é cinismo político puro e duro, lamentamos que o Governo não tenha aproveitado a opção "correcta e mais do que suficiente" deixada pelo ex-ministro do Ambiente do CDS Luís Nobre Guedes, o tratamento dos resíduos em Centros Integrados de Recuperação, Valorização e Eliminação de Resíduos Perigosos (CIRVER).

segunda-feira, fevereiro 27, 2006

Tragédia de Mortágua


Uma missa celebrada no quartel dos Bombeiros Sapadores de Coimbra evoca, dia 4 de Março, os quatro elementos da companhia que morreram tragicamente há quase um ano no combate a um incêndio que deflagrou no concelho coimbrão de Mortágua.
O comandante dos Bombeiros Sapadores de Coimbra revelou que está, também, previsto o descerramento no quartel de uma placa evocativa dos quatro membros da corporação, bem como uma romagem aos cemitérios onde as vítimas foram enterrada
Certa e justa homenagem, mas convém não esquecer que um ano após o incêndio que matou quatro "sapadores", os seguros ainda não foram totalmente pagos Há viúvas que atravessam situações de grande dificuldade económica.

Mais um blogue de referencia

domingo, fevereiro 26, 2006

Escolha difícil

Combates prosseguem em Cabinda

Os confrontos em Cabinda prosseguem nas matas, acompanhados por constantes violações dos Direitos Humanos, contrariando as sucessivas declarações oficiais do Governo de Luanda que negam a existência de um estado de guerra no enclave. Segundo o EstadoMaior General (EMG) das Forças Armadas de Cabinda (FAC) unificadas, os confrontos com as forças angolanas multiplicaram-se nos últimos dois meses.
No dia 29 do mesmo mês, um comando das FAC unificadas atacou uma
patrulha das FAA entre Piadinge e Conde Lintumbi, às 10h00 locais, «causando cinco
mortos deixados no terreno e seis feridos nas fileiras do inimigo», tendo sido também registados ferimentos em dois combatentes das FAC. No mesmo dia,, pelas 15h00, ocorreu um outro ataque na mesma área, quando as FAA tentaram progredir para recuperar os mortos abandonados.

No dia 6 de Janeiro deste ano, um comando das FAC unificadas atacou de assalto o destacamento das FAA situado a 500 metros da aldeia de Buco Xivava, tendo causado «três mortos e oito feridos nas fileiras do inimigo».
O mesmo documento avança que, em retaliação, as FAA agiram contra a população civil, «prendendo todos os jovens e adultos do sexo masculino da referida aldeia e culminaram com os assassinatos do chefe da aldeia, Sr. Kembo e do Catequista, bemcomo de uma criança de 12 anos». Na mesma ocasião foi também «preso e transladado para a vila do Necuto, até a data, o Sr. Carlos Gomes, coordenador de M´BataMissinga, aldeia vizinha de Buco Xivava».

No dia 10 de Janeiro, um comando das FAC unificadas atacou de assalto o
destacamento das FAA situado entre Caio Cuntene e Terra Nova, causando cinco mortos nas fileiras das FAA e capturando as suas respectivas armas. No dia seguinte «ocorreu um ataque no cruzamento entre Benfica e M´Budila em que as FAA sofreram pesadas baixas», é ainda avançado na nota.

No dia 25 de Janeiro, «em retaliação pelas baixas sofridas nos confrontos com as FAC unificadas», lê-se, as FAA aprisionaram Victor Sassa, de 35 anos de idade, e
Venâncio, uma criança de 12 anos de idade, ambos da aldeia de Conde Litombe quando se encontravam a colher frutos para a sua alimentação, acusados de serem elementos da FLEC e no dia seguinte «os dois foram friamente fuzilados».

Segundo o mesmo comunicado, «na mesma data, a Sra. Jorgeta, de 45 anos de idade, e o seu filho de 15 anos de idade, ambos da aldeia do Chinvula, foram aprisionados no Caio Cuntene, quando se dirigiam à vila do Necuto para vender as suas mercadorias e foram assassinados pelos soldados das FAA. Outro infortúnio recaiu sobre o regedor de M´Bata Lembe, conhecido por Mongali, que está preso na vila do Necuto, depois de ter sido espancado por soldados angolanos, sob acusação de ser colaborador da FLEC».

Por fim, o documento avança que no dia 11 de Fevereiro, o pastor protestante da aldeia de Caio Poba, filho de Pedro Simão, «foi assassinado por soldados das FAA sob protesto de ser colaborador da FLEC».

Várias testemunhas têm assinalado ao Ibinda.com que a presença militar angolana é crescente no enclave, «sendo flagrante, além das cidades, nas principais zonas rurais e povoações do interior, a acção das forças militarizadas» junto de civis e principalmente da Igreja binda, «numa atitude de intimidação e pressão, elevando assim o clima de tensão vivido em Cabinda», adiantaram as mesmas fontes.


Reproduzi na integra a noticia do Jornal Digital, pois acho, que devem ser divulgados os atentados aos direitos humanos perpetrados pelo governo do magnata José Eduardo dos Santos.
Entretanto o ministro português da Defesa, Luís Amado , visitou Luanda tendo como missão cooperação técnico-militar entre Portugal e Angola.
Algumas fontes chegaram mesmo a adiantar que se tratava de um negócio de venda de armas.
Faça você mesmo a soma. Com ajuda técnica ou ajuda material o governo português vai ficar com as mãos sujas de sangue de inocentes.
Mas as ligações sinuosas entre os déspotas que governam Angola e os sucessivos governos portugueses não se confinam ao armamento.Todos ou quase todos os negócios que se estabelecem em Angola para serem aprovados, ficam sujeitos a uma condição, a entrada de algum familiar de um membro do governo para o capital dos mesmos.
Esta onda de corrupção e assassinatos, não é vista pelos nossos governantes.
Lavar as mãos como Pilatos ou pior ainda ter uma politica de submissão perante o governo de Angola é pratica corrente dos nossos políticos do sistema.

sábado, fevereiro 25, 2006

CANTANHEDE - AEC aposta nos saldos e no trabalho


O próximo mês vai ser farto, para a Associação Empresarial de Cantanhede, que promove a VII Feira de Reduções, dia 3, e a II Feira do Trabalho e Formação, a 10 de Março.
FONTE

Entrevista a Filipe Batista e Silva da Juventude Nacionalista

sexta-feira, fevereiro 24, 2006

UM ANO


Fez ontem um ano que iniciamos este blogue.
Os objectivos para além de divulgar o pensamento nacionalista, eram comentar acontecimentos de carácter regional e nacional segundo o ponto de vista nacionalista.
No entanto e como simpatizantes do PNR tínhamos também a esperança de através do nosso pequeno contributo, conseguir juntar os nacionalistas do distrito em torno do PARTIDO DE PORTUGAL.
Um ano passado não me vou prender com contadores de visitas, com número de postes ou mesmo com links e comentários. Quero no entanto agradecer a todos os que diariamente nos visitam, apoiaram e tiveram a gentileza de nos linkar.
Considero que os objectivos a que nos propusemos embora ainda não tendo uma grande expressão, não são no entanto tão pequenos como isso. Assim temos efectuado acções de propaganda de uma forma regular numa boa parte dos concelhos do Distrito. As reuniões do PNR Coimbra têm – se sucedido a um ritmo regular, sendo cada vez maior o número de pessoas presente. Por outro lado começamos a ter pequenas células nalguns concelhos da região o que faz antever que dentro em pouco tempo novos núcleos serão criados.
Vivemos pois dias de esperança de fé no nosso trabalho.
Aproveito para lançar o desafio a todos os nacionalistas e patriotas do Distrito, que apesar nos visitarem, ainda não arranjaram “coragem” para nos contactar. Pedimos um pouco do tempo de cada um na luta por um país melhor. Não podemos ficar de braços caídos enquanto a nossa pátria e o nosso povo são todos os dias traídos. Nos não somos seguramente profissionais da política. Somos soldados políticos e como tal move-nos somente a satisfação do dever cumprido.
Por ultimo uma palavra de agradecimento a todos os que comigo têm colaborado na divulgação do movimento nacionalista, a todos os que de alguma forma me têm ajudado a “construir” o blogue, sobretudo ao António do Portimão Nacional sem o qual este projecto nunca teria nascido.

Juventude Nacionalista


Manifesto Político da JN
Está prestes a ser divulgado o Manifesto Político da Juventude Nacionalista -- um documento de leitura indispensável, que contém as orientações politicas fundamentais da JN.

É fartar vilanagem

Montemor-o-Velho recebe mais um Festival do Arroz e da Lampreia



O arroz carolino dos campos do Mondego é o protagonista do IV Festival do Arroz e da Lampreia, «viagem gastronómica» de 10 a 19 de Março.
Ao longo de dois fins-de-semana, o arroz será divulgado com a mostra gastronómica nos restaurantes, as tasquinhas e petisqueiras presentes no Festival, a venda de arroz carolino do Baixo Mondego, a mostra de artesanato, a animação cultural, o congresso de orizicultores ( dias 16 e 17)e as visitas pela rota do arroz.

Montemor-o-Velho é uma vila portuguesa no Distrito de Coimbra, região Centro e subregião do Baixo Mondego, com cerca de 2 900 habitantes. Situa-se a uma altitude média de 5 m acima do nível médio do mar.
É sede de um município com 228,62 km² de área e 25 478 habitantes (2001), subdividido em 14 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Cantanhede, a leste por Coimbra e por Condeixa-a-Nova, a sul por Soure e a oeste pela Figueira da Foz.

quinta-feira, fevereiro 23, 2006

A 'entrega' de Cabora Bassa e o impacto nas contas públicas

A decisão tomada pelo Governo de José Sócrates no início de Novembro de 2005 (aquando da visita do PR de Moçambique, Armando Guebuza), sobre a venda - «por tuta e meia» - da maioria do capital português na 'Hidroeléctrica de Cahora Bassa', forçou-me a escrever e a editar um livro a que neste blog se fez referência – 'Cabora Bassa - A Última Epopeia.
Nesse livro está bem expressa a minha posição contrária ao abandono da 'HCB' por Portugal, depois de durante quase duas décadas se andar a enterrar o dinheiro dos contribuintes portugueses (fala-se em 15 milhões de euros por ano) para manutenção de um empreendimento que esteve quase paralisado devido à sangrenta guerra civil (centenas de milhares de mortos e milhões de exilados e desalojados) que até 1993 opôs a Frelimo e a Renamo.
Tal como disse há dias, aquando do lançamento do livro, «se o perdão servir apenas o Povo Moçambicano, tudo bem, mas se for para engordar a 'Geocapital' de Stanley Ho e Almeida Santos ou outros grupos capitalistas internacionais, então... tudo mal».
Curiosamente, após os grupos parlamentares terem sido bombardeados com mensagens sobre a questão levantada e Manuela Melo, do PS, ter respondido a um meu amigo que ia conduzir o assunto à respectiva Comissão (da AR), surge finalmente o senhor ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, a admitir que o seu Governo pode não ter cuidado suficientemente dos interesses nacionais.
No 'Público' de 23 de Fevereiro, pode ler-se, na página 20, a seguinte 'breve':
«O memorando de protocolo com Moçambique para entrega da Hidroeléctrica e perdão da dívida já está a ser acompanhado pelo Eurostat. A condição que está no memorando é que não poderá ter impacto nas finanças públicas e Teixeira dos Santos acredita que será possível ' uma operação adequada''. ''Se tiver qualquer impacto nas finanças públicas, não temos condições para realizar a operação''», disse.
...E eu pergunto:
Mas, então, é assim, desta forma aligeirada que o Governo Sócrates trata de um negócio que envolve quase 2 mil milhões de euros (cerca de 400 milhões de contos na moeda antiga)?
Não me vou alongar, que o espaço neste blog é precioso, mas deixem que vos diga que, com este exemplo 'edificante', pedir uma intervenção urgentíssima do Presidente da República é o mínimo que se pode fazer.
...Ou será que há que recorrer para uma qualquer instância da União Europeia, a fim de que a partir dali se defendam os interesses do Estado Português?

A. Santos Martins

Fórnea de Cá dividida ao meio



Os habitantes da Fórnea de Cá estão contra o fecho da passagem de nível por parte da REFER. Dizem que o lugar está dividido e têm de ir ao apeadeiro da Lousã ou ao Meiral, a quatro quilómetros de distância, para passar para o outro lado.
Serão estas as grandes obras previstas para o Ramal da Lousã. Porque será que uma empresa que devia preocupar-se com o bem-estar das populações, toma medidas sem consultar as pessoas.
Mais uma medida que sobrepõe a procura de baixa custos aos interesses e segurança dos portugueses.
FONTE

Bombeiros em Semide


As guerras e guerrinhas entre PS e PSD impedem que uma secção de bombeiros se instale em Semide.
Mais uma vez ficamos a saber que o importante é tirara dividendos eleitorais, mesmo que isso seja á custa dos reais anseios das populações.
Uns porque pretendem instalar a secção sem ter em conta os custos de funcionamento da mesma, outros, porque na oposição têm todo o interesse em que os projectos do adversário não vinguem.
Assim vai o nosso Portugal, entregue a estes falsos servidores do povo.
FONTE

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

SPEEDY GONZALES



Um deputado do PSD, eleito pelo círculo do Porto, foi interceptado na auto-estrada, na zona de Coimbra, a circular a mais de 200 quilómetros por hora. O auto está no Governo Civil de Coimbra, ao qual Ricardo Almeida, de 31 anos, fez um pedido especial no sentido de lhe ser perdoada a apreensão da carta de condução. O problema é o historial de infracções graves e muito graves do político, que já foi autuado quase duas dezenas de vezes. Em quase todas teve a "sorte" de ver os processos arquivados.
Ao JN, Ricardo Almeida afirmou-se surpreendido com o "histórico" de infracções e disse não se lembrar de ter sido tantas vezes autuado. "Reconheço que, às vezes, ultrapasso os limites de velocidade, mas isso é porque sou um deputado que cumpre horários. Não sou como outros que não chegam a horas às reuniões", justificou o deputado, ex-dirigente da Federação Académica do Porto.
Vamos lá perceber estes políticos do sistema.
Eu também sou responsável, também cumpro horários. Será que posso a partir de hoje começar a desrespeitar todos os limites de velocidade?

Blogues Nacionalistas

Visite o PORTUGAL IMORTAL

Um dia negro para Portugal.

Dossiers
Quarta, 22 Fevereiro de 2006

A aprovação da nova lei da nacionalidade, no passado dia 14, com os votos do bloco central (PS+PSD) e do PCP, e a abstenção, por razões distintas, do BE, do CDS, de dois deputados do PSD e um do PS, representa para Portugal o início de uma época e o fim de outra.
O ser Português esgota-se no mero acidente biológico de quem nasce em território nacional, no balbuciar primário da língua pátria, expresso na conclusão do ensino básico, e, na união temporária, de facto, sem recurso do notário e do registo, de quem se apaixonar pela possibilidade de em rápidos três anos adquirir, sem grande esforço o bilhete de identidade Português.
O Jus Solis, segundo o espírito da nova lei, é soberano e dita, para efeitos da aquisição da nacionalidade, os trâmites e os requisitos a prosseguir. Caminhos esses, que por obra de irresponsáveis legisladores, levarão Portugal a ser mais africano, sul-americano e asiático, descaracterizando fatalmente a nossa remota identidade fundada e construída na matriz Europeia. Em suma: a concepção oportunista, mercantilista e pragmática prevaleceu sobre o entendimento histórico, memorial e étnico da idiossincrasia portuguesa.
Os efeitos imediatos da aplicação deste aborto jurídico sentir-se-ão, a quente nos bairros ocupados de muitas zonas urbanas de Lisboa e do Porto, no tráfico internacional de passaportes e de bilhetes de identidade com chancela lusitana, no incremento dos custos sociais nas áreas da saúde, educação e habitação, sempre às expensas dos portugueses de cepa, os verdadeiros!
Estaremos, em pouco tempo, sujeitos a uma invasão silenciosa, autorizada pelos trágico-iluminados redactores que, albergados na Assembleia da República, abriram sem o mínimo sentido de estado, as portas do leilão barateado da nacionalidade Portuguesa.
O PNR está acompanhado da esmagadora maioria dos Portugueses na repulsa e condenação desta lei iníqua. Esta significa, no seu conteúdo, o falecimento de Portugal tal como o concebemos.
A qualidade de ser português resulta no contínuo legado transmitido pelos nossos antepassados, não se limitando a uma mera concessão administrativa, automática e artificial. Os casos excepcionais deverão ser ponderados e consagrados na lei, mas sempre a título de excepção.
A nacionalidade funda-se na hereditariedade, jamais na temporalidade do mero nascimento.
À coligação anti-portuguesa, promotora desta lei, não esqueceremos, nem perdoaremos!
Com o PNR, para que viva Portugal!

Penacova é “capital da lampreia” durante cinco dias

Penacova vai ser um dos destinos mais procurados durante o próximo fim-de-semana dedicado à lampreia. Trata-se da 9.ª edição que, este ano, tem a particularidade de ultrapassar o fim-de-semana propriamente dito, já que o evento vai decorrer durante cinco dias, entre os dias 24 e 28.
O Concelho de Penacova está inserido numa vasta zona de interesse turístico.
Pertence ao distrito de Coimbra, na Região Centro (NUT II) e na Sub-Região do Baixo Mondego (NUT III).
Dista 20 km de Coimbra, sede de distrito. É limitado a norte pelos concelhos da Mealhada (distrito de Aveiro), Mortágua e Santa Comba Dão (Distrito de Viseu), a nascente pelos concelhos de Tábua e Arganil, a sul pelo de Vila Nova de Poiares e a poente pelo de Coimbra, todos deste distrito.
É um concelho de segunda ordem , comarca e concelho fiscal de terceira ordem, pertence ao Distrito, Relação e Bispado de Coimbra.
Tem cerca de 18000 habitantes numa área de 220 Km2 distribuída por 11 freguesias.

Como Chegar ?
Se vem de Coimbra, via IC2, entre no IP3 e saia na saída de Penacova.
Caso queira apreciar as belas paisagens do Mondego, dirija-se no sentido da Estrada da Beira (N17) e tome a N110, até Penacova.
Se vem de Lisboa ou do Porto, seja pela A1 ou pela N1, siga pela IP3 e saia no nó de Penacova.
Se vem de Espanha ou Europa, via Vilar Formoso, siga no IP5 até Mangualde depois siga pelo IC12 até Santa Comba Dão e Pelo IP3 até Penacova.

Queima das fitas 2006 – Coimbra


A Comissão Central da Queima das Fitas de 2006 apresentou-se ontem à comunicação social como uma equipa empenhada que, começando a trabalhar com zero euros, promete honrar os compromissos.
Esperemos que esta comissão saiba estar à altura da tradição da festa, e que afaste de uma vez por todas as suspeitas que normalmente pairam sobre quem organiza a queima.

FONTE

Causas

A ler no Batalha Final

terça-feira, fevereiro 21, 2006

RODRIGO EMILIO.Poeta de Parada de Gonta!


Uma homenagem ao Rodrigo Emílio feita pelo blogue Parada de Gonta

CRISE! QUE CRISE?

Aeródromo de Cernache é um espaço inseguro

OAeródromo Municipal de Cernache não tem condições de segurança. Há árvores que colocam em risco a descolagem e aterragem de aeronaves, faltam meios de comunicação via rádio, pistola de sirenes e lanterna de iluminação e nem sequer foi nomeado, até ao momento, um director da infra-estrutura que pertence à Câmara de Coimbra.
Mais um projecto para Coimbra que caiu no esquecimento, com uma agravante a pouca utilização dada a aeródromo, está comprometida pela incúria da Câmara e pelo desleixo do Sr. Governador Civil. Pelo meio troca de acusações no intuito de canalizar dividendos políticos, ficando de fora os reais interesses do concelho e da região.Enfim as costumeiras trocas de garlhadetes do bloco central.
FONTE

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

Forum do Movimento 560


Recebi um mail de um Administrador do Forum do Movimento 560 a pedir que divulgasse o mesmo.
Este fórum merece a nossa colaboração e divulgação, visto defender valores que também são os nossos.
Passem por lá inscrevam-se, colaborem, divulguem.

Figueira da Foz Comerciantes queixam-se que Bairro Novo está a “morrer”

UM ANO



Faz hoje um ano que PS, comandado pelo Sr. Eng. chegou ao poleiro.

Quando o PS chegou ao poder o país estava à beira do abismo, com PS no poder o país deu um passo em frente.

MISSIVA DA DIRECÇÃO DA JN POR OCASIÃO DO 6º ANIVERSÁRIO DO PNR


Exmo. Sr. Presidente do PNR,
Exmos. Srs. Dirigentes do PNR,
Estimados amigos e camaradas do PNR,

Nesta especial ocasião a, Direcção da Juventude Nacionalista não poderia deixar de felicitar o PNR, os seus dirigentes e todos aqueles que se têm dedicado ao seu desenvolvimento, e de lhe desejar um futuro promissor, repleto de grandes sucessos e conquistas. Pretendemos também transmitir-vos a nossa intenção de continuar a empregar todos os nossos esforços no sentido de servir o PNR, contribuindo, assim, para o seu engrandecimento.

Por isso, manter-nos-emos empenhados naquele que é um dos mais importantes propósitos da nossa organização: Resgatar para o movimento os jovens perdidos da Nação:
- Aqueles que vagueiam desorientados em busca de algo que dê propósito às suas vidas;
- Aqueles que enveredaram por caminhos de degradação física e mental;
- Aqueles que foram ludibriados por pseudo-alternativas políticas ao actual Sistema.
Ao partido, ao movimento e a Portugal, temos a oferecer o imprescindível serviço de reorientar a vida desses jovens, de os enquadrar numa militância saudável e positiva e, acima de tudo, de lhes oferecer um Ideal pelo qual viver e morrer. Com isso, estaremos a servir não apenas o partido em termos imediatos, mas sobretudo a trabalhar naquele que é o nosso último, mais elevado e ambicioso desígnio: o de erigir das ruínas uma nova elite nacional, a futura reserva anímica e espiritual da Nação!

Por tudo isso, só podemos aguardar de vós, e durante os anos que se seguem, toda a confiança e solidariedade para com a Juventude Nacionalista. Do partido à Nação, todos temos a ganhar com ela!

Viva a J.N!
Viva o P.N.R!
Viva Portugal!
A Direcção Nacional da Juventude Nacionalista
18 de Fevereiro de 2006

domingo, fevereiro 19, 2006

Os políticos do sistema que paguem a crise

CRISE, QUE CRISE?

sábado, fevereiro 18, 2006

Almoço/Comemoração do 6º aniversário do PNR (FOTOS)


ALGUNS PORMENORES DA SALA



O BOLO DE ANIVERSARIO


MARIO MACHADO- ACTIVISMO NACIONALISTA 2005


SERGIO MARTINS - MILITANTE REVELAÇÃO 2005


JORGE BARÃO - MILITANTE REVELAÇÃO 2005


OS PARABENS AO PNR

COIMBRA-Finanças fiscalizam contas da Metro Mondego


Empresa confirma presença de inspectores, mas diz desconhecer o motivo Antigo administrador e autarca admitem ter ouvido falar de "eventuais irregularidades"
O projecto do Metro longe de andar para a frente, continua envolto em suspeitas de ilegalidades. Cartões de credito sem limite de gastos, especulação imobiliária, jobs para a rapaziada. Para tudo serviu o Metro de Coimbra. Agora com o governo a enterra-lo e os autarcas a consentirem, resta a porcaria que a pouco e pouco vai sendo conhecida.
De criticar também a atitude de quem “ouviu” falar e nada fez para investigar.
Como diz o povo “Quem cala consente”.

FONTE

sexta-feira, fevereiro 17, 2006

XV Encontro Regional de Folcloristas "Coisas do Arco da Velha"


Dia 19 de Fevereiro 2006
Biblioteca Municipal de Cantanhede

09h00m - Recepção aos participantes

09h45m - Sessão de abertura

10h15m - Apresentação do 1º Painel
Moderador - Paulo Marques, Presidente da Direcção do Grupo Folclórico Cancioneiro de Cantanhede

10h30m - Apresentação e Demonstração de "Mézinhas" - As Curas e Rezas (1ª parte) por: Srª Virgínia e Srª. Maria
"Destorcer"
"Curar Aguamento"
"Tirar o Sol"
"Nevão e Farpão"
"Cortar o Ar"

11h00m - Abertura do Workshop "Remédios Caseiros"
Exposição de remédios caseiros utilizados pelo povo nos finais do século XIX
Breve Explicação da composição e confecção dos "Remédios Caseiros" expostos

11h45m - Apresentação do 2º Painel
Moderador - Carlos Maltez, Relações Públicas do Grupo Folclórico Cancioneiro de Cantanhede

12h00m - Apresentação e Demonstração de "Mézinhas" - As Curas e Rezas (2ª parte) por: Srª Virgínia e Srª. Conceição
"Zuripela"
"Quebranto" ou "Cobranto"
"Mal de Inveja"
Responso de Santo António
"Endireitar o Bucho"

12h30m - Debate e considerações finais
Organização

Lançamento do livro 'Cabora Bassa - A Última Epopeia'

Palácio de Belém é «um espaço menor»para a «homenagem que tarda» aos heróis

Na zona exposicional do Café Santa Cruz - paredes-meias com a igreja onde está sepultado o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques - foi lançado na noite de quinta-feira o último livro do jornalista A. Santos Martins - 'Cabora Bassa - A Última Epopeia'.
Apresentou o livro o também historiador e vereador da Cultura da Câmara Municipal de Coimbra, Dr. Mário Nunes, que fez o elogio do autor e confessou aos presentes ter-se interessado tão vivamente pela obra que a leu «de um só fôlego».
Para Mário Nunes, o trabalho daquele autor conimbricense desperta o que de melhor há no orgulho patriótico português, sublinhando que ficou bem vincado no livro que, mesmo no período anterior à descolonização de 1975, como aconteceu na região do Zambeze moçambicano, os Portugueses escreveram em África epopeias que não desmereceram das dos séculos das Descobertas e da Expansão.
De acordo com o autor, também este seu livro - fruto de quase quarenta anos de investigação histórica e de 'memórias' que trouxe do Vale do Zambeze, onde fez Jornalismo antes, durante e até à conclusão daquela que é uma das maiores barragens hidroeléctricas do mundo -, foi escrito «quase de um só fôlego», depois de o actual Presidente de Moçambique, Armando Guebuza, ter visitado Portugal no início de Novembro de 2005 e o Governo de Lisboa assinar um protocolo para a entrega «ao desbarato» da posição portuguesa na «Hidroeléctrica de Cahora Bassa».
O lançamento do livro aconteceu precisamente no dia em que o Conselho de Ministros tomou decisões sobre as privatizações a fazer em 2006 e 2007 - e o autor sublinhou que metade do «perdão» do Governo de José Sócrates a Moçambique, no caso daquela monumental barragem, daria para evitar as privatizações a fazer na EDP, na Galp-Energia e na REN (Rede Eléctrica Nacional).
«Se o perdão servir apenas o Povo Moçambicano, tudo bem, mas se for para engordar a Geocapital de Stanley Ho e Almeida Santos ou outros grupos capitalistas internacionais, então... tudo mal» - disse o autor de 'Cabora Bassa - A Última Epopeia, antes de referir que a HCB começou a gerar lucros de exploração em 2004, depois de muitos anos de exigências aos contribuintes portugueses (fala-se em 15 milhões de euros por ano), devido à longa e sangrenta guerra civil (Renamo-Frelimo) que se travou no território após a entrega de Moçambique ao movimento guerrilheiro liderado por Samora Machel.
O autor lembrou também que o Vale do Zambeze moçambicano («onde Portugal cabe várias vezes»), foi o território ultramarino onde os portugueses penetraram mais profundamente, logo a partir do início do século XVI.
«O habitual era instalarem-se feitorias fortificadas junto ao Índico, como aconteceu em Sofala e na Ilha de Moçambique. Mas logo nos primódios do século XVI os portugueses subiram o rio Zambeze até 800 quilómetros da costa, erguendo povoações, igrejas, organizando feiras para o comércio. Sena, Tete, Chicoa e o Zumbo são testemunhos da coragem dos nossos sertanejos e missionários. Mas também nos derramámos, naquele século, pelo território que é hoje o Zimbabwe».
Santos Martins, depois de lembrar que há cem anos (1905), «o nosso almirante Gago Coutinho» foi o primeiro europeu a subir à montanha do Kassongo (onde se desenvolveu Cabora Bassa)», não foi «nada meigo» com o britânico David Livingston.
«Livingston foi, sem dúvida, um grande explorador na segunda metade do século XIX. Mas também um grande mentiroso, pois chamou a si descobertas que os Portugueses haviam feito... 300 anos antes»!
Depois de referir que Cabora Bassa foi erguida no meio de um território fortemente afectado pela subversão armada da Frelimo - «que para ali orientou todo o seu esforço de guerra» -, ainda assim a majestosa barragem foi erguida, até lá chegaram todos os grandes equipamentos para a sua central hidroeléctrica e «o enchimento do seu imenso lago artificial, com quase 300 quilómetros de extensão, começou na data prevista e sem qualquer interrupção».
Para que isso acontecesse, houve um «esforço sublime de milhares de civis e militares», muitos dos quais morreram ou ficaram estropiados «para que se consumasse a última epopeia dos portugueses em África».
Para o autor, o Palácio de Belém é «espaço menor» para «a condecoração que tarda». Se o novo Presidente da República decidir homenagear aqueles heróis anónimos, «pois que o faça no anfiteatro que existe no Monumento das Descobertas e da Expansão, junto à Torre de Belém».
Recebido por email

Luso-descendente assassinado em Joanesburgo

Um luso-descendente de 54 anos foi esta sexta-feira morto a tiro num assalto a sua casa em Elandssontein, sul de Joanesburgo, tornando-se na primeira vítima portuguesa ou de origem lusa da criminalidade na África do Sul em 2006.
Os assassinatos continuam, as autoridades portuguesas ficam caladas.
O PNR é o único partido a denunciar este clima de terror.
FONTE

6º Aniversário do PNR

Notícias

Sexta, 10 Fevereiro 2006
O PNR vai comemorar o seu 6º aniversário; o primeiro que se celebra, fruto do dinamismo e novo fôlego impresso ao partido nacionalista de Portugal! Os nacionalistas estão de parabéns! O PNR está de parabéns!
Estão abertas as marcações para o almoço comemorativo, a ter lugar no próximo dia 18 de Fevereiro. Nessa ocasião, serão entregues pela primeira vez, o Prémio "Mérito de Activismo Nacionalista" e o Prémio "Militante Revelação".
As reservas deverão ser feitas para:
Lina Monteiro - 96.672.46.22 ou 96.437.82.25
E-Mail

Falta saúde à população de Souselas

HOMENAGEM A RODRIGO EMÍLIO


A Sociedade Histórica da Independência de Portugal organiza no próximo dia 18 de Fevereiro, sábado, pelas 18 horas, uma sessão de homenagem a Rodrigo Emílio no Salão Nobre do Palácio da Independência. Contará com a presença habitual de José Campos e Sousa e com comunicações de Francisco Ferro, José Carlos Craveiro Lopes, Luís António Serra, Vasco Barata e ainda do, BOS.
Segue-se jantar nas instalações da SHIP, para quantos quiserem prolongar a estada no secular casarão, ao preço de 15 euros por pessoa.

Inscrições (só para o jantar):E-Mail

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

NA BOCA DO MUNDO


Jorge Bento presidente de Condeixa ao Diário de Coimbra.
DC - Condeixa vai estar, brevemente, nas bocas do mundo quando a Medinfar começar a fabricar as vacinas antigripais e anti virais.
Fiquei então a saber que a vacina será administrada em forma de comprimido.

DoMelhor

DoMelhor apresenta uma selecção de notícias e artigos de várias categorias de interesse. Possui um sistema editorial não-hierárquico: os textos são submetidos para análise e ao invés da aprovação vir de um editor, é feita pelos próprios leitores que votam nas matérias que merecem vir para esta primeira página.
Passe por lá inscreva-se e comece a submeter matérias a votação, ou simplesmente vote.

ARGANIL Confraria do Bucho nasce no concelho

A Confraria do Bucho vai ser criada, ainda este ano, no concelho de Arganil. Os estatutos vão ser aprovados no dia 31 de Março, enquanto o I Capítulo da Confraria deverá ocorrer em Outubro ou Novembro próximos.
FONTE

CANTANHEDE PJ detém suspeito de abuso sexual


A Polícia Judiciária (PJ) de Coimbra anunciou hoje a detenção de um homem pela presumível autoria de diversos crimes de abuso sexual de três meninas, com idades entre os oito e os 10 anos.
O homem, casado, vai ser submetido a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coacção tidas por adequadas.
Para este tipo de crimes s+ó devia haver uma medida de coação: Aguardar o julgamento na cadeia.
FONTE

CRÍTICAS À INTERDIÇÃO DO TRÂNSITO NA RUA DA SOTA


Com o argumento de proteger o Centro Histórico de Coimbra a câmara aprovou o encerramento do trânsito na Rua da Sota.
Contra esta medida estão os moradores, sobretudo os comerciantes, que também apresentam argumentos bastante válidos.
O que nos parece que deve ser comentado é o facto de este regime estar constantemente, a apregoar que o povo é soberano, e numa situação deste género não ter procurado encontrar o consenso.
FONTE

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Associação Pinus Verde lança revista para promover aldeias de xisto

OLIVEIRA DO HOSPITAL – Falência pode levar 93 para o desemprego

Mais uma empresa do Distrito que vai fechar.
Mais desemprego.
O motivo o mesmo a que este sistema já nos habituou. Deslocalização de compras, nomeadamente, para o sudoeste asiático e Turquia.
A sobrevalorização do sector terciário em Portugal levou a que no nosso país se menosprezasse a Indústria, mantendo a aposta numa política de mão-de-obra barata e sem formação, prejudicando este sector essencial à sobrevivência nacional, que agora agoniza incapaz de concorrer com gigantes manufactureiros desrespeitadores dos direitos dos trabalhadores como a China, a Indonésia, o Vietname, a Turquia etc.
O governo apesar de todas as promessas não tem sabido proteger a nossa indústria, sobretudo porque está refém dos acordos e directivas de Bruxelas.
FONTE

terça-feira, fevereiro 14, 2006

Choque tecnológico


O desemprego subiu para 8%.
Temos cerca de 500000 desempregados.

Estagiários ficam nos Bombeiros Municipais

A polémica que envolve a contratação pela Câmara da Figueira da Foz (CMFF) de 20 recrutas actualmente em estágio nos Bombeiros Municipais (BMFF) da cidade poderá estar à beira do fim. Segundo Fernando Curto, presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), a autarquia terá admitido a integração dos recrutas naquela corporação, após o resultado da auditoria efectuada pelo Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil (SNBPC) ao corpo municipal de bombeiros.
Ora aqui esta uma boa notícia para os recrutas e para a Figueira.
Vale sempre a pena lutar
FONTE

Mundo louco

Sobre a polémica dos cartones já varias vezes manifestei a minha opinião.
Não concordo que em nome da liberdade de imprensa se amesquinhem crenças e pessoas, sobretudo quando a referida liberdade tem um só sentido: Também comungo da opinião de alguns dos nossos blogueres que isto é só a ponta do icebergue e que foi encomendado sabe-se lá por quem. Também já referi que os ofendidos não estão isentos de culpas uma vez que a religião cristã sofre perseguições no mundo árabe, e é fundamental que não nos esqueçamos da destruição das Estatuas de Buda. Também já me pronunciei sobre o conflito palestiniano, escrevendo que entre uns e outros que venha o diabo e escolha. Neste tipo de situações quem não tenha pecados que atire a primeira pedra.
Feitas estas “declarações de voto” vou directo ao assunto que desejo partilhar convosco.
Alguns países islâmicos permitem situações que lembram tempos de barbárie, sendo que algumas das suas aberrantes tradições continuam a ser praticadas quando se mudam para a Europa, sob o olhar complacente dos governos do sistema.
Hoje pude ver finalmente a maioria das imagens que já ontem tinha visto parte na net.
Segundo o que li a criança esta a ser castigada por ter sido apanhada a furtar.
Para quem tem filhos estas imagens a serem verdade provocam uma profunda revolta, a mesma revolta que me provocou o vídeo dos soldados britânicos a agredirem crianças.